Uso de tração animal para transporte de carga e de gente é proibido no Rio

Uso de tração animal para transporte de carga e de gente é proibido no Rio

O uso de cavalos e jumentos para puxar carroças e charretes nos grandes centros para o transporte de cargas, materiais ou pessoas está proibido no estado. O texto, no entanto, abre exceção para os animais utilizados em áreas rurais do estado, onde são necessários como meio de locomoção e sustento, e em atividades turísticas, como as promovidas na Praça Xavier de Brito, conhecida como Praça dos Cavalinhos, na Tijuca, na Ilha de Paquetá e em Petrópolis. A lei nº 7.194/2016, de autoria do deputado Dionísio Lins (PP) foi sancionada pelo governador Luiz Fernando Pezão no dia 08/01/2016.

Quem for flagrado descumprindo a nova determinação será punido de acordo com a legislação vigente relacionada a maus-tratos contra os animais. De acordo com Dionísio Lins, é cada vez maior o número de denúncias relativas à exploração de cavalos, burros e jumentos em transporte de mobiliário, entulho, ferragens e lixo.

A partir de agora qualquer cidadão constatando maus tratos aos animais poderá comunicar o fato aos órgão de proteção para que o mesmo seja recolhido. Essa lei vem colaborar com as autoridades para tentar o mais rápido possível, uma regulamentação adequada – disse.

De acordo com o parlamentar, é cada vez maior o número de reclamações que chegam as entidades protetoras de animais de pessoas denunciando a utilização e os maus tratos sofridos por cavalos, burros e jumentos, considerados animais de carga, que são usados principalmente no transporte de mobiliário, entulhos, ferragens e lixo:

É comum pessoas relatarem que viram cavalos sendo maltratados e utilizados como animal de carga até não poderem mais, e caírem de cansaço, fome e exaustão no asfalto quente. Mas o pior é que quando não servem mais para o trabalho geralmente eles são brutalmente sacrificados. Isso é um absurdo!

Fonte: O Globo-Rio

Escrever Comentário

*

*

*Campos obrigatórios Por favor valide os campos obrigatórios